marédematos
nuvem azul
nuvem vermelha
verão

quem sou eu que permaneço sendo
se nem sequer o verão vem idêntico?

o rio corre sem pensar em sua própria beleza
o mar se transforma e é existência
as flores brotam sem pensar nelas mesmas

a língua que fala não nasceu contigo
sua morada não foi feita por teu braço
nem só em teu corpo se manifesta teu traço

unidade de uma estrutura social
seu apego é glacial e tu não é
o que há entre teu chapéu e teu pé