marédematos
nuvem azul
nuvem vermelha
do acabamento do mundo

 

eu não me importo de o mundo acabar
estou cansada como um vendedor de uvas que se sujeita ao subjetivo clima
também estou cansada como os cactos milenares na isolada bolívia
mas mais mesmo como o perigo eminente das trombas d`agua nas margens da cachoeira

eu não me importo mesmo de o mundo acabar
estou mesmo cansada como o cavalo mais querido da família
ainda estou cansada como as mazelas intocáveis da dura rotina
mais mesmo como o trânsito sentimental que paira no corpo dos infiéis

eu não me importo nada de o mundo acabar
estou cansada como os fios da vassoura cativa
moro mesmo é no cansaço da unidade administrativa
estou humilde diante da hipótese de cor pérola de o mundo acabar